quinta-feira, 28 de junho de 2012

Como melhorar as emoções e mudar atitudes


Olá pessoal que curte esta página! Gostaram do tema ‘estresse’ da semana passada? Hoje estou de volta para falar sobre como podemos melhorar nossas emoções e mudar atitudes.

Toda vez que um paciente inicia terapia gosto de explicar como é que nosso psicológico funciona, pois acredito que é a partir desta compreensão que se inicia o processo de autoconhecimento, que por sua vez tende a levar ao autocontrole.


Quando alguém procura terapia é porque não está se sentindo tão bem ou não está satisfeito com seu comportamento, certo? Pois ninguém vai ao psicólogo porque está feliz.

Observem que destaquei na frase acima as palavras sentindo e comportamento, porque geralmente, a maioria das pessoas estão mais conscientes das emoções e atitudes, do que das razões que as levaram a se sentir ou agir de determinada forma.

É muito comum também, as pessoas atribuírem seus sentimentos a eventos externos como situações ou pessoas, por exemplo: “Estas notícias me deprimem” ou “Fulano me deixa nervoso".

Mas, o que de fato desencadeia nossas emoções?

É a nossa maneira de pensar, interpretar, raciocinar, concluir, atribuir significados ou resumindo nossas COGNIÇÕES.

Por isso que duas ou mais pessoas diante da mesma situação podem apresentar emoções e comportamentos diferentes. Isso se deve ao fato de que cada uma processa cognitivamente a realidade de maneira diferente, pois tiveram uma história e experiências de vida distintas, que colaboram para o desenvolvimento dos padrões cognitivos que todos temos, afinal, não nascemos com nossa visão de mundo formada, vamos construindo ao longo de nossas vivências.


É importante dizer também que, ao construirmos nossos padrões de pensamentos, também vamos cometendo muitas falhas no processamento de informações, que na psicologia chamamos de distorções cognitivas, pensamentos disfuncionais ou pensamentos irracionais, visto que nem sempre identificamos estas distorções.

E a notícia boa vem agora: Podemos mudar a forma como enxergamos as coisas, pois não nascemos com ela, como a cor dos olhos, por exemplo. E quando falo que podemos mudar nossos pensamentos, jamais quero que pensem que é para ‘pensar positivo em relação a tudo’ daqui pra frente. O ‘pensamento positivo’ vazio de lógica e realismo é tão nocivo quanto um pensamento distorcido.

A mudança é: Desenvolver o hábito mental de sempre dialogar consigo mesmo, de modo a analisar ou avaliar as situações, sempre identificando fatos que possam comprovar um pensamento. É preciso ter lógica entre o que se pensa e o que acontece/ aconteceu e está para acontecer, do contrário nossos pensamentos são meras ideias, hipóteses e nunca uma certeza.

Por último, ao se deparar com uma situação-problema e uma emoção negativa, após realizar o processo todo acima é necessário que se planeje uma solução, que se visualize uma alternativa ou saída para que as circunstâncias se modifiquem.

Minha mensagem hoje é essa: Podemos mudar o que está dentro de nós e não o mundo a nossa volta, por isso não vamos gastar energia emocional com situações que estão fora do nosso controle e vamos nos concentrar naquilo que podemos alterar, ou seja, a nós próprios.

Vou ficando por aqui e volto semana que vem. Caso tenha ficado dúvidas ou queiram sugerir assuntos, lembrem-se que este espaço foi feito para vocês e enviem para mim, ok!

Grande abraço,

Psicóloga Clínica Carla Presutti.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Estresse, o mal do século

Olá pessoal! Hoje, gostaria escrever sobre um assunto muito importante: ESTRESSE. A maioria das pessoas tem uma ideia equivocada sobre o assunto, e por isso decidi falar sobre ele de uma forma bem simples. 


Na época em que estava na faculdade, o meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) foi sobre "O estresse na sociedade atual". Gostei muito de fazer este trabalho e nele descobri que o estresse sempre fez parte da humanidade, que se trata de um mecanismo de sobrevivência das pessoas, e que os fatores que geram o estresse tem se modificado muito ao longo dos tempos. Bem, vamos ao assunto, então...

O que é Estresse?



Estresse, ao contrário do que a maioria das pessoas imaginam, se refere à uma reação natural do no nosso organismo, que envolve alterações psicológicas, físicas, mentais e hormonais, é uma reação de adaptação, de sobrevivência às situações novas, sejam estas situações boas ou não.

Quais são as alterações geradas no organismo pelo estresse?


O estresse é composto por quatro fases. A primeira é a fase de alerta ou alarme, nesta fase o organismo entra em contato com situações estressantes, e a partir daí responde através de reações fisiológicas como aceleração dos batimentos cardíacos e aumento da pressão arterial. Já, as reações psicológicas, podem ser euforia, tensão, dentre outras. Geralmente, quando as situações estressantes chegam ao fim, o organismo se refaz naturalmente. Contudo, se estas situações se prolongam o estresse chega à Segunda fase, que se chama Resistência.

Nesta fase, o organismo se esforça para se adaptar à situação. Há um gasto maior de energia e, conseqüentemente, o organismo se desgasta. É comum nesta fase a pessoa dormir e acordar cansada, sentir que suas unhas estão fracas ou que o cabelo está caindo, enfim, já é possível ver a queda da resistência imunológica, e caso as situações estressantes não passem, o estresse avança para a terceira fase que se chama Quase-exaustão.


Nesta fase podemos observar um enfraquecimento da pessoa que não mais consegue se adaptar ou resistir ao estressor. As doenças começam a surgir. Porém, vale dizer que não é o estresse que ocasiona as doenças, acontece que a imunidade da pessoa fica tão baixa, que suas predisposições são ativadas,por exemplo, o vírus da herpes é ativado em pessoas que o tem incubado, assim para quem tem problemas dermatológicos, eles vão aparecer, como psoríase, dermatites ou vitiligo. Para os hipertensos haverá aumento constante da pressão arterial. Também observamos sinais psicológicos como depressão, ataques de pânico, ansiedade elevada, dentre outros sintomas. 

E a última fase é a Exaustão, onde a própria palavra diz tudo. A pessoa está exaurida, e dependendo de suas vulnerabilidades, pode vir a óbito. Isso posto, saliento aqui que essa é uma possibilidade nos casos em que a pessoa já tem uma condição física que a predisponha à tal risco, pois em fases de estresse avançadas há uma queda da resistência imunológica, favorecendo a ativação de doenças pré-existentes e suas complicações.

Como tratar o Estresse?


Podemos controlar o estresse em nossas vidas, nunca eliminá-lo, e o estresse é uma reação natural do nosso organismo, afim de justamente nos ajudar na adaptação e sobrevivência às novas situações, sejam elas boas ou não. O ruim é quando o estresse se prolonga, do contrário ele fará parte do nosso dia-a-dia, inclusive nos impulsionando a lutar. 












O que podemos fazer para controlá-lo é melhorar a qualidade de nossas vidas, com uma alimentação saudável, fazer atividade física, realizar alguma prática de relaxamento, que pode ser Yoga ou meditação, ter lazer para recarregar as energias, pois se divertir é essencial, dormir bem, aprender a identificar os pensamentos e as situações que provocam estresse, ser uma pessoa organizada e não acumular tarefas, além de dividir tarefas com outras pessoas, diminuir o nível de exigência pessoal, usar da assertividade na maioria das situações, manter os relacionamentos saudáveis, enfim tudo o que aumentar o nível de satisfação para com a vida e consigo mesmo, vai fazer bem e irá ajudar a administrar o estresse. 

Caso a pessoa tenha dificuldades em reverter sozinha um momento de estresse em sua vida, pode buscar ajuda de um psicólogo e em casos extremos, o uso de uma medicação ou afastamento do trabalho podem ser necessários.


Pessoal, caso desejem fazer perguntas sobre o assunto, fiquem a vontade que irei responder todas. Deixem seus comentários e compartilhem o texto com os amigos! Obrigada e até a próxima!

Abraços,
Psicóloga Clínica Carla Presutti

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Carla Presutti


Psicóloga Clínica CRP 06/69478

Bacharel em Psicologia pela Universidade Camilo Castelo Branco.

Psicóloga pela Universidade Camilo Castelo Branco.

Pós-graduada/ Especialista em Terapia Cognitiva e Comportamental pela USP.

Diversos cursos nas áreas de transtornos de ansiedade (pânico, fobias, TOC, ansiedade generalizada, ansiedade relacionada à saúde), estresse, depressão, transtornos alimentares, dentre outros.

Idealizadora do programa de emagrecimento  "EMAGRECENDO COM A CABEÇA.

Sobre a Terapia Cognitiva

É fato que todo ser humano é diferente entre si. Cada um tem sua forma singular de ser e existir no mundo. Contudo, mesmo diante de tantas diferenças, modos de pensar, sentir e agir diversos, penso que há uma coisa que faz com que todos cheguem num objetivo em comum... ser feliz, a busca de um sentido para a vida... Afinal, quem gosta de não estar satisfeito consigo mesmo ou com a vida?!

Pois é onde entra o papel da psicoterapia, que pode auxiliar pessoas que não estão bem consigo mesmas, que experimentam alguma dificuldade em alguma área de suas vidas e que desejam mudanças para sentirem-se mais satisfeitas.

Pode-se definir em poucas palavras que psicoterapia é um processo de auto-conhecimento que acarreta em auto-controle. Neste processo, paciente e psicólogo trabalham juntos rumo à alcançarem as mudanças necessárias que se transformam em metas terapêuticas. Não existe uma fórmula mágica para que as mudanças ocorram, e sim desejo de ser, ver, sentir e fazer de forma diferente, ou seja, atitude da parte do paciente, bem como estudo, habilidades, métodos e técnicas da parte do psicólogo.

Cada psicólogo tem seu método para exercer seu trabalho. O meu é a Terapia Cognitiva ou TC, como é conhecida em meu meio profissional.

A terapia cognitiva foi desenvolvida por Aaron T. Beck, no início da década de 60, na Universidade da Pensilvânia. Conforme descrito em Beck, 1964, sua proposta era a de uma psicoterapia breve, estruturada, orientada ao presente, para a depressão, direcionada a resolver problemas atuais e a modificar os pensamentos e comportamentos disfuncionais. Com o passar dos anos, estudos empiricamente comprovados tem mostrado que a TC é eficiente não apenas para tratar casos de depressão, mas uma variedade extensa de problemas e desordens emocionais e psiquiátricas, como por exemplo transtornos de ansiedade, que envolve medo, estresse, pânico, fobias, timidez, transtorno obssessivo compulsivo e vai além da depressão, sendo aplicável em transtornos alimentares como bulimia e anorexia, problemas relacionados ao uso de substâncias como fumo, álcool e drogas, para pacientes obesos, casos de esquizofrenia, transtorno afetivo bipolar, dentre outros, sendo hoje uma das psicoterapias mais recomendadas por profissionais da área da saúde.

A TC considera que, não são as situações que exatamente nos afetam, e sim nossos pensamentos em relação às situações que influenciam nossas emoções e comportamentos, pois diante de uma mesma circunstância duas pessoas podem ter emoções e comportamentos diferentes, não é mesmo?

 Então, já que a situação é a mesma, e as pessoas podem reagir de modos diferentes, o que muda de uma pessoa para outra são suas cognições (pensamentos, raciocínio, atribuição de significados, conclusão), pois se fosse a situação a causa das reações (emoção, comportamento e alterações fisiológicas) todos deveriam ter as mesmas atitudes, e, no entanto, não é o que acontece.

No processo psicoterapêutico, o paciente aprenderá a trabalhar com suas cognições, pois muitas vezes temos pensamentos que são considerados distorcidos e disfuncionais e nem mesmo nos damos conta disso. Portanto, avaliar a veracidade e a utilidade dos pensamentos, além de modificá-los é uma das estratégias utilizadas na psicoterapia para se obter melhora das emoções e mudanças comportamentais.

Os pensamentos distorcidos e disfuncionais são considerados o nível mais superficial de nossas cognições, e são influenciados pelo conjunto de crenças e esquemas que são o nível mais profundo, que formamos através das experiências de vida, interações e influências familiares, sociais, culturais dentre outras.

Como mencionei, na maioria das vezes não percebemos os erros de pensamentos que cometemos, pois geralmente focalizamos mais o que sentimos e o que nos aconteceu. Entretanto, a terapia cognitiva dispõe de técnicas eficientes que auxiliam o paciente em seu processo de auto-conhecimento, onde o objetivo não é ensiná-lo a “trocar” o pensamento distorcido ou disfuncional por um “pensamento positivo”, mas através da reestruturação cognitiva promover mudanças significativas em seu humor e comportamento levando-o a encarar a vida de maneira realista, funcional, flexível, além de torná-lo mais hábil em resolução de problemas.

Bem... esta é uma breve descrição da TC, o assunto é vasto, mas creio que já é possível fornecer uma noção a respeito da minha forma de trabalhar. Pacientes, estudantes de psicologia e psicólogos interessados em terapia cognitiva podem entrar em contato, caso desejem obter maiores informações, referências bibliográficas ou indicação de cursos na área.

Atendimentos em Consultório

Os serviços realizados em consultório são:

Avaliação psicológica

Avaliação psicológica, orientação, psicoterapia pré e pós cirúrgica para candidatos à cirurgia de redução do estômago;

Psicoterapia individual/ Casal

Orientação de pais

Relaxamento


Programa de emagrecimento EMAGRECENDO COM A CABEÇA

Os dias e horários de atendimentos serão combinanos entre paciente e psicóloga, de acordo com a disponibilidade de ambos.

Informe-se sobre 

1) Atendimentos on line

2) Atendimentos particulares

3) Convênios/ Reembolsos

4) Parcerias com sindicatos, associações, cooperativas, escolas e empresas

5) Home care (atendimento em sua casa)




O Consultório está localizado em São Paulo na zona leste. O endereço completo será informado no ato da marcação da consulta.

Para mais informações entre em contato:

- via e-mail: pscarlacris@hotmail.com 

- Telefones (11) 98826-5757

Curta no facebook: Emagrecendo Com A Cabeça


Contato

Para informações sobre atendimentos entre em contato:


                   pscarlacris@hotmail.com

 
Whatsapp: (11) 98826-5757