segunda-feira, 1 de abril de 2013

Tristeza ou Depressão?

"A morte não é a maior perda da vida.  A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos“ (Pablo Picasso)


Tristeza todos nós sentimos, porém a depressão é uma tristeza diferente do habitual porque ela é persistente, ocupa grande parte do tempo ou do dia. Uma pessoa depressiva é visivelmente apática e não experimenta mais sentimentos de satisfação ou prazer por coisas que antes da depressão gostava.

Para se ter uma ideia da intensidade e comprometimento causado pela depressão, podemos classificá-la em três níveis: LEVE, MODERADO ou SEVERO. Isto equivale a dizer que existem pessoas depressivas que mesmo sofrendo são capazes de administrar suas rotinas sem grandes prejuízos, como por exemplo, continuar trabalhando, porém outras precisam ser afastadas do trabalho por não terem energia emocional, intelectual e física para realizar as mais simples tarefas do dia a dia, exemplo realizar sua higiene pessoal, como tomar banho.

Os sintomas são diversos:

Tristeza
Apatia
Angústia
Vazio
Irritabilidade
Impaciência
Dificuldade em tomar decisões
Insegurança
Cansaço, fadiga ou falta de energia
Procrastinação
Insônia, sono fragmentado ou sono não restaurador
Dificuldades de concentração e Memória
Culpa
Pessimismo
Baixa autoestima

         As causas podem ser genéticas, ambientais, físicas (exemplo, carência de vitamina B ou problemas relacionados à tireoide), cognitivas e outras condições médicas. 



     No tocante às causas cognitivas é comum observarmos pensamentos disfuncionais dos tipos pessimista, negativista e distorcido. Uma cognição em especial chama a atenção de nós especialistas, que é a desesperança, pois não enxergar saída ou soluções para sua condição atual ou quaisquer outras situações de vida pode ser uma razão para que se busque o suicídio como alternativa. Contudo, especialistas concordam que nem sempre era ‘a morte’ o que o depressivo desejava e sim ‘alívio para sua dor’.

O tratamento vai depender do quadro em geral, ou seja, do nível da depressão e do grau de comprometimento gerado por ela. É feito através de medicamentos antidepressivos e psicoterapia. 

A abordagem psicológica atualmente mais recomendada para o tratamento da depressão é a Psicoterapia Cognitiva Comportamental. O objetivo desta linha de tratamento é reestruturar as cognições disfuncionais da pessoa depressiva, tornando-a mais flexível e hábil em soluções de problemas. O resultado se dá em três aspectos: Mudanças no modo de pensar, sentir e se comportar.


Também se recomenda a prática de atividade física regularmente, pois sabemos que em nosso cérebro existem mais de vinte tipos de endorfinas, substâncias responsáveis pela sensação de bem estar, que são liberadas com atividades aeróbicas. E os benefícios vão além da melhora no humor, e sim mais disposição física e mental, alívio da dor, aumento da imunidade, mais resistência, bloqueio das lesões dos vasos sanguíneos, dentre outros.


Cuidar da alimentação é outro pilar no combate à depressão, por isso é recomendável o consumo de alimentos ricos em vitamina B e triptofano, por exemplo o leite e a banana.

Espero que estas informações tenham ajudado você a compreender um pouco mais sobre a depressão.
Forte abraço!

Psicóloga Clínica Carla Presutti

Um comentário:

  1. Isso é muit ruim, tira toda a força da pessoa neh!!!
    Passa no meu blog pra conhecer tb, se gostar siga que eu sigo tb!!!
    www.makeolatras.blogspot.com.br
    Bjsss =]

    ResponderExcluir